Na cana e na pecuária, pesquisa ainda prioriza a biotecnologia

Post

Commentário   |   Comunicação

       Se na área de grãos a nova revolução tecnológica está voltada à informação, na cana e na pecuária a biotecnologia ainda predomina. No CTC (Centro de Tecnologia Canavieira), o plano de investimento, de R$ 1,2 bilhão em cinco anos, visa principalmente melhorar a competitividade dos canaviais.”O milho teve um ganho de produtividade de 70% nos últimos anos. A cana cresceu por volta de 20%”, diz Luis Roberto Pogetti, presidente do conselho do CTC. O desafio é transportar genes comuns nos principais grãos, como o Bt (resistente a insetos), para a cana. “Em 2017, teremos cana transgênica aprovada pela CTNBio com a tecnologia Bt”, diz.

     Por meio da biotecnologia tradicional, o CTC busca a “cana campeã”, ou mais produtiva, para cada região do país e variedades capazes de produzir mais açúcar em ambientes secos, além do etanol de segunda geração.
Na Embrapa Pecuária Sudeste, uma das principais linhas de pesquisa dedica-se à identificação de genes que contribuem para as características mais desejadas pelo consumidor na carne, como maciez e teor de gordura. A idéia é que, com as informações coletadas, seja possível disponibilizar um conjunto de marcadores moleculares para selecionar animais que serão usados para a reprodução de descendentes com as características de interesse do pecuarista.

     Outra importante linha de pesquisa da Embrapa procura avaliar os impactos da pecuária no efeito estufa. A atividade é considerada uma das responsáveis pela emissão de gases no mundo. Mas a rede Pecus, que reúne 300 pesquisadores em todo o país, incluindo profissionais da Embrapa, estão demonstrando, por meio de artigos científicos, que a influência da pecuária brasileira no efeito estufa é menor do que a média mundial. Eles mostram também que é possível, por meio de sistemas de produção sustentáveis, reduzir as emissões. E indicam alternativas para mitigar os impactos nos principais biomas. “A ideia é incluir, no inventário nacional de emissão de gases de efeito estufa, coeficientes mais adequados à realidade do Brasil”, diz Patrícia Perondi, da Embrapa Pecuária Sudeste.

15161426

Estufa de biotecnologia do CTC, em Piracicaba (SP)

Fonte: Folha de S.Paulo, 11/06/2015

Deixe uma resposta